Fish

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Coberturas, Soluções e Cremes Padronizadas




Solução Fisiológica a 0,9% (curativo convencional) e Cobertura Seca

- Composição: cloreto de sódio a 0,9%.
- Ação: mantém a umidade da ferida, favorece o desbridamento autolítico e a formação de tecido de granulação. Amolece os tecidos desvitalizados.
- Indicação:, incisões e locais de inserção de drenos
- Contra-indicações: feridas abertas de qualquer etiologia.
- Aplicação e troca: umedecer as gazes de contato o suficiente para manter o leito da ferida úmida até a próxima troca, ocluir com gazes estéreis e secas. As trocas deverão ser feitas conforme a saturação das gazes e a umidade da ferida ou no máximo a cada 24 horas.
-Modo de usar:
·         Limpar a incisão ou o local de inserção do dreno com gaze e SF 0,9%
·         Secar com gaze;
·         Ocluir com gaze seca ou bolsa coletora

Solução Fisiológica a 0,9% e Cobertura Umida

- Composição: cloreto de sódio a 0,9%.

- Ação: mantém a umidade da ferida, favorece o desbridamento autolítico e a formação de tecido de granulação. Amolece os tecidos desvitalizados.

- Indicação: manutenção da umidade da ferida.

-Tipos de feridas: feridas de cicatrização por segunda ou terceira intenção.

- Contra-indicações: feridas com cicatrização por primeira intenção e locais de inserção de cateter, introdutores, fixadores externos e drenos.

- Aplicação e troca: umedecer as gazes de contato o suficiente para manter o leito da ferida úmida até a próxima troca, ocluir com gazes estéreis e secas. As trocas deverão ser feitas conforme a saturação das gazes e a umidade da ferida ou no máximo a cada 24 horas.


Creme De Sulfadiazina De Prata + Nitrato De Cério

- Composição: sulfadiazina de prata micronizada a 1% e nitrato de cério hexahidratado a 0,4%.

- Ação: atua contra uma grande variedade de microorganismos, como: bactérias gram negativas e positivas, fungos, vírus e protozoários. Quando associada ao cério, inibe a liberação do LPC (Lipoprotein Complex).

- Indicação: queimaduras.

Contra-indicações e reações adversas:
-Presença de hipersensibilidade aos componentes.
-Disfunção renal ou hepática,
-Leucopenia transitória,
-Raríssimos casos de hiposmolaridade; raríssimos episódios de aumento da sensibilidade a luz solar.

- Aplicação e troca: aplicar uma fina camada do creme sobre o leito da ferida, ocluir com gazes estéreis. As trocas deverão ser feitas conforme a saturação das gazes ou no período máximo de 24 horas.
OBS:
- Com a ação da energia térmica sobre a pele ocorre imunossupressão induzida pelo LPC que é altamente tóxico para o organismo.
- O uso indiscriminado da sulfadiazina de prata causa citotoxicidade e pode levar à resistência microbiana.
- Raramente as bactérias são eliminadas pelos antibióticos tópicos, devido à proteção da capa fibrinosa na superfície ulcerada e algumas espécies bacterianas são capazes de produzir um “biofilm” protetor que dificulta a ação do antibiótico. Tecidos desvitalizados ou necróticos, espaços mortos, coleções serosas e sanguíneas também bloqueiam a ação dos antibióticos. Tais fatos permitem afirmar que antibioticoterapia sistêmica é a mais adequada para tratar feridas infectadas.

Creme de Sulfadiazina de Prata

Composição: sulfadiazina de prata a 1% hidrofílico

Ação:o íon de prata causa precipitação de proteínas e age diretamente na membrana citoplasmática da célula bacteriana, exercendo ação bacteriana imediata e ação bacteriostática.

Indicação: queimaduras, prevenção de colonização.

Contra-indicações e reações adversas: hipersensibilidade.

Modo de Usar:

-Lavar a ferida com SF0,9%
-Remover excesso de exsudato
-Aplicar o creme assepticamente sobre toda a extensão da lesão.
-Colocar gaze de contato úmida.
-Cobrir com cobertura secundária.

Periodo de Troca- no máximo a cada 12 horas ou quando a cobertura secundaria estiver saturada.
Obs: retirar o excesso de creme remasnecente a cada troca de curativo

PRATA NANOCRISTALINA

Composição: Polietileno com nano partículas de prata reativas, com 5 camadas.

Mecanismo de ação: Apresenta-se em forma de placa, impregnado com prata, cuja função é a de inativar as bactérias retiradas do leito da ferida e retidas dentro da fibra da cobertura. Tem capacidade de absorver de moderado a intenso exsudato formando um gel coeso que se adapta à superfície da ferida formando meio úmido, provendo desbridamento autolítico. Sua absorção ocorre na vertical e horizontal.

Indicações: Ferida com moderada a intensa exsudação, com ou sem infecção, com ou sem tecido necrótico, feridas cavitárias, queimaduras de profundidade parcial (2º grau) e feridas estagnadas.


Hidrocolóide

Os hidrocoloides são curativos que podem ser apresentados sob a forma de
placa, pasta, gel e grânulos.

Composição: o hidrocoloide em placa é um curativo sintético derivado da celulose natural, que contém partículas hidrofílicas que formam uma placa elástica autoadesiva.
- A sua face externa contém uma película de poliuretano semipermeável não aderente.
- A camada de poliuretano proporciona uma barreira protetora contra bactérias e outros contaminantes externos.

Mecanismo de ação: as partículas de celulose expandem-se ao absorver líquidos e criam um ambiente úmido, que permite às células do microambiente da ferida, realizando um desbridamento autolítico. Esta condição estimula o crescimento de novos vasos ou angiogênese (devido hipóxia no leito da ferida), tecido de granulação e protege as terminações nervosas. Ele mantém o ambiente úmido, enquanto protege as células de traumas, da contaminação bacteriana, e mantém também o isolamento térmico. Estimula a granulação e a absorve o excesso de exsudato, mantém a umidade e temperatura em torno de 37°C facilitando o crescimento celular e a regeneração tissular, também promove o desbridamento autolítico e alivia a dor por manter protegidas, úmidas e aquecidas as terminações nervosas.

Característica: a interação da cobertura com o exsudato da ferida forma um gel amarelado, viscoso e de odor acentuado, que minimiza as ocorrências de danos ao leito da ferida no momento da remoção. Também possui permeabilidade seletiva, permite a difusão gasosa e evaporação de água, é impermeável a fluídos e microorganismos (reduz o risco de infecção).

Indicação: feridas com baixa a moderada exsudação, com ou sem tecido necrótico, queimaduras superficiais
Os hidrocoloides em forma de pasta são indicados para: úlceras profundas, podendo ser usados para preencher os espaços mortos.

Contra-indicação: em casos de infecção, principalmente por anaeróbicos, uma vez que esses produtos são impermeáveis ao oxigênio e não podem ser usados em casos com excessiva drenagem, devido à limitada capacidade de absorção. Não devem ser usados se houver exposição de músculos, ossos ou tendões.

Modo de usar:
- irrigar o leito da ferida com soro fisiológico a 0,9%, secar a pele ao redor, escolher o hidrocoloide com diâmetro que ultrapasse a borda da lesão pelo menos 2 cm a 3 cm. Retirar o papel protetor. Aplicar o hidrocoloide segurando-o pelas bordas da placa.
- Pressionar firmemente as bordas e massagear a placa para perfeita aderência. Se necessário, reforçar as bordas com fita adesiva e datar o hidrocoloide. Trocar a placa sempre que o gel extravasar, o curativo se deslocar e/ou, no máximo, a cada sete dias.

Vantagens:

-protege o tecido de granulação e epitelização de ressecamento e trauma;
- liquefaz o tecido necrótico por autólisee;
- absorve quantidade moderada de secreção;
-adere a superfícies irregulares do corpo e possui a capacidade de moldar-se, não necessitando do uso de curativo secundário;
-não permite a entrada de água durante

Desvantagens:

-não permite a visualização da ferida, devido à sua coloração opaca, precisando ser removido para a avaliação.
-Pode apresentar odor desagradável na remoção;
- O adesivo pode causar sensibilidade.
Obs: Adicionalmente, deve ser ressaltado o alto custo do tratamento, que o torna oneroso.

Observações:

1. Esses curativos produzem odor desagradável e podem permitir que resíduos adesivos da placa se fixem na pele, o que pode causar traumas ao serem removidos. A escolha do produto adequado para cada doente deve ser criteriosa, de acordo com a avaliação da característica da úlcera. Esse procedimento deve ser realizado periodicamente, para detectar os fatores de riscos que interferem na cicatrização.
2. Os grânulos e a pasta promovem os benefícios da cicatrização úmida em úlceras exsudativas e profundas, facilitando a epitelização. Os grânulos agem principalmente na absorção do excesso do exsudato, e a pasta preenche o espaço existente no interior da lesão. Ambos promovem o desbridamento autolítico, com a camada de camada de contato, entre o leito da ferida e a cobertura do hidrocoloide, maximizando sua ação.

Troca: Deve ser trocada quando ocorrer extravasamento do gel ou descolamento das margens da placa, não ultrapassando 7 dias.Não exige cobertura secundária.

FILME TRANSPARENTE

Composição: é um curativo estéril constituído por uma membrana de poliuretano, coberto com adesivo hipoalergênico. Possui um certo grau de permeabilidade ao vapor-d’água, dependendo do fabricante. Não adere à superfície úmida da ferida; é uma cobertura fina, transparente, semipermeável e não absorvente.

Mecanismo de ação: mantém um ambiente úmido entre a UP e o curativo, favorece o desbridamento autolítico, protege contra traumas, ajudando a cicatrização. A umidade natural reduz a desidratação e a formação de crosta, o que estimula a epitelização. Pode proporcionar barreiras bacterianas e virais, dependendo de sua porosidade. Permite visualizar a úlcera, além de permanecer sobre a mesma por vários dias, diminuindo o número de trocas. Pode também ser utilizado como curativo secundário.

Indicação: deve ser usado em úlceras superficiais com drenagem mínima, em grau I; úlceras cirúrgicas limpas, com pouco exsudato; queimaduras superficiais; áreas doadoras de pele; dermoabrasão; fixação de cateteres; proteção da pele adjacente a fístulas; e na prevenção de úlceras de pressão.

Modo de usar: limpar a pele e a úlcera, irrigando com soro fisiológico a 0,9%. Secar a pele ao redor da lesão, escolher o filme transparente do tamanho adequado, com o diâmetro que ultrapasse a borda. Aplicar o filme transparente. Trocar quando descolar da pele ou em presença de sinais de infecção. Pode ser utilizado como curativo secundário ou associado a outro produto.

Contra-indicações: não é recomendado para úlceras exsudativas, profundas e
infectadas.

Observação: se usado de forma inadequada, pode levar à maceração da pele ao redor da lesão.
Alginato de Cálcio

- Composição: fibras de ácido algínico (ácido gulurônico e ácido manurônico) extraído das algas marinhas marrons (Laminaria). Contém também íons de cálcio e sódio.

- Ação: através da troca iônica promove a hemostasia; absorve exsudato, forma um gel que mantém a umidade, promove a granulação, auxilia o desbridamento autolítico. Antes do uso, em seco, e quando as fibras de alginato entram em contato com o meio líquido, realizam uma troca iônica entre os íons cálcio do curativo e os íons de sódio da úlcera, transformando as fibras de alginato em um gel suave, fibrinoso, não aderente, que mantém o meio úmido ideal para o desenvolvimento da cicatrização.

- Indicação: feridas com ou sem infecção, com exsudação de moderado a intenso, com ou sem tecido necrótico e com ou sem sangramento.

- Característica: Apresenta-se em forma de placa ou cordão estéreis.

- Aplicação: pode ser recortado, mas deve utilizar tesoura estéril, manusear com luvas ou pinças estéreis. O alginato de cálcio placa de absorção horizontal, deve ser recortado do tamanho certo da ferida, evitando a maceração da pele ao redor. Em caso de alginato de absorção vertical, recortar de 1 a 2 cm além da borda da ferida. Deve estar associado à cobertura secundária. Em feridas cavitárias utilizar a forma fita preenchendo o espaço parcialmente.

- Troca: a freqüência de trocas é de acordo com a quantidade de exsudato presente na ferida podendo ser de até 7 dias. A cobertura secundária deverá ser trocada quando houver necessidade.

- Contra-indicação: feridas com pouca drenagem de exsudato.
Observação: dependendo do fabricante, há necessidade de umedecer o alginato com soro fisiológico no leito da ferida.

Fibra de Carboximetilcelulose

- Composição: curativo não tecido composto por fibras agrupadas de carboximetilcelulose sódica.

- Ação/Característica: apresenta-se em forma de fita ou placa, macia e estéril. Tem capacidade de absorver de moderado a intenso exsudato formando um gel coeso, que se adapta a superfície da ferida formando meio úmido, provendo desbridamento autolítico. Sua absorção ocorre na vertical e horizontal.

- Indicação: ferida com moderada a intensa exsudação, com ou sem infecção, com ou sem sangramento (controla pequenas hemorragias), com ou sem tecido necrótico, feridas cavitárias (utilizar fita), queimaduras de 1º e 2º grau.

- Aplicação e Troca: aplicar diretamente sobre a ferida de forma que ultrapasse a borda da ferida em pelo menos 1 cm em toda a sua extensão. Requer cobertura secundária. Trocar quando houver saturação da cobertura ou extravasamento de exsudato, não ultrapassando 07 dias após a aplicação. Em feridas cavitárias introduzir a fita preenchendo o espaço parcialmente, deixando
margem mínima de 2,5 cm da fita para fora da superfície para facilitar a retirada.

- Contra-indicação: reações alérgicas ou de sensibilidade aos componentes da cobertura.

Fibra de Carboximetilcelulose com Prata

- Composição: curativo não tecido composto por fibras agrupadas de carboximetilcelulose sódica e 1,2% de prata iônica.

- Ação/Característica: apresenta-se em forma de fita ou placa, impregnado com prata, cuja função é a de inativar as bactérias retiradas do leito da ferida e retidas dentro da fibra da cobertura. Tem capacidade de absorver de moderado a intenso exsudato formando um gel coeso, que se adapta à superfície da ferida formando meio úmido, provendo desbridamento autolítico. Sua absorção
ocorre na vertical e horizontal.

- Indicação: ferida com moderada a intensa exsudação, com ou sem infecção (prioritariamente com infecção), com ou sem tecido necrótico, feridas cavitárias (utilizar fita), queimaduras de profundidade parcial (2º grau) e feridas estagnadas.

- Aplicação e Troca: aplicar diretamente sobre a ferida de forma que ultrapasse a borda da ferida em pelo menos 1 cm em toda a sua extensão. Requer cobertura secundária. Trocar quando houver saturação da cobertura ou extravasamento de exsudato, não ultrapassando 7 dias após a aplicação. Em feridas cavitárias introduzir a fita preenchendo o espaço parcialmente, deixando
margem mínima de 2,5 cm da fita para fora da superfície para facilitar a retirada

- Contra-indicação: reações alérgicas ou de sensibilidade aos componentes da cobertura.

- OBS.: é incompatível com produtos a base de óleo, com petrolato.

Espuma com Prata

- Composição: espuma de poliuretano com prata.

-Ação/Característica: espuma com prata proporciona meio úmido, favorecendo cicatrização; a prata dispersa na estrutura da espuma é dispensada no leito da ferida quando em contato com o exsudato e é contínua à medida que a cobertura é mantida. Pode causar coloração escura no leito da ferida.

- Indicação: ferida com moderada a intensa exsudação, com ou sem infecção (prioritariamente com infecção), com ou sem tecido necrótico, queimaduras de 2º ou 3º grau e feridas estagnadas.

- Aplicação e Troca: aplicar diretamente sobre a ferida com o lado liso e sem impressão para baixo de forma que ultrapasse a borda da ferida em pelo menos 2 cm em toda a sua extensão.

Obs:Trocar quando houver saturação da cobertura/extravasamento do exsudato, não ultrapassando a 7 dias após a aplicação. Não necessita de cobertura secundária.

- Contra-indicação: não deve ser utilizado em pacientes com sensibilidade à prata. Não deve ser utilizado com soluções de hipoclorito ou peróxido de hidrogênio, pois ocorre inativação da prata.

CARVÃO ATIVADO

Composição: possui uma cobertura composta de uma almofada contendo um tecido de carvão ativado cuja superfície é impregnada com prata, que exerce uma atividade bactericida, reduzindo o número de bactérias presentes na úlcera, principalmente as gram-negativas. tecido de carvão ativado, impregnado com prata (0,15%) envolto externamente por uma película de nylon (selada);
O curativo não deve ser cortado, porque as partículas soltas de carvão podem ser liberadas sobre a ferida e agir como um corpo estranho.

Mecanismo de ação: possui um alto grau de absorção e eliminação de odor das úlceras. O tecido de carvão ativado remove e retém as moléculas do exsudato e as bactérias, exercendo o efeito de limpeza. A prata exerce função bactericida, complementando a ação do carvão, o que estimula a granulação e aumenta a velocidade da cicatrização.
É uma cobertura primária, com uma baixa aderência, podendo permanecer de três a sete dias quando a ferida não estiver mais infectada. No início, a troca deverá ser a cada 24 ou 48 horas, dependendo da capacidade de absorção.

Indicação: em úlceras exsudativas infectadas, em fístulas e gangrenas; feridas fétidas, infectadas e bastante exsudativas;

Modo de usar: irrigar o leito da ferida com soro fisiológico a 0,9%; remover o exsudato e tecido desvitalizado, se necessário; colocar o curativo de carvão ativado e usar a cobertura secundária.

Observação: nas feridas pouco exsudativas e nos casos de exposição osteotendinosa, deve ser utilizado com restrições, devido à possibilidade de ressecamento do local da lesão.

Carvão Ativado e Prata

- Composição: curativo não tecido com carvão ativado impregnado com prata (0,15%) envolto externamente por uma película de nylon (selada).

- Ação/Característica: curativo estéril com ação bactericida, favorece desbridamento autolítico, mantém umidade e temperatura adequadas à cicatrização, elimina odores desagradáveis. Não deve ser cortado devido à liberação da prata no leito da ferida, o que pode ocasionar queimadura dos tecidos ou formar granuloma devido aos resíduos do carvão.

- Indicação: feridas com moderada a intensa exsudação, com ou sem infecção, com ou sem tecido necrótico, feridas cavitárias e feridas fétidas.

- Aplicação e Troca: promover limpeza da ferida com SF 0,9% em jato anteriormente a aplicação da placa. Aplicar diretamente sobre a ferida em qualquer uma das faces usando luvas ou materiais estéreis. Requer cobertura secundária. Trocar quando houver saturação da cobertura, não ultrapassando a 7 dias após aplicação. A cobertura secundária pode ser trocada sem a troca
da placa se ainda não estiver saturada. Em feridas cavitárias unir as 4 pontas da cobertura formando “trouxa” e introduzir na ferida mantendo as pontas para fora da superfície, facilitando a retirada.

- Contra-indicação: reações alérgicas ou sensibilidade aos componentes do produto. Feridas com pouco exsudato, com presença de sangramento, exposição óssea ou tendinosa, queimaduras.

Filme Transparente

- Composição: película de poliuretano transparente, fino, recoberta com um adesivo hipoalergênico que adere à pele de modo suave.

- Ação/Característica: é impermeável a água, permite vaporização do exsudato (permeável a gás e vapor) para evitar a maceração enquanto mantém ao mesmo tempo um meio úmido ideal para cicatrização, proporciona uma barreira de projeção contra bactérias e agressões externas. Sua transparência permite monitorar o processo de cicatrização sem ter que expor a ferida.

- Indicação: queimaduras superficiais, sítios doadores, incisões cirúrgicas, feridas com perda tecidual superficial, fixação de cateteres e utilizados como cobertura secundária.

- Aplicação/Troca: promover limpeza da ferida com SF 0,9% em jato e secar a pele ao redor da ferida. Abrir o centro do papel de revestimento a fim de expor a superfície do curativo. Aplicar a parte central sobre o sítio da ferida, puxar as abas (conforme especificação do fabricante) uma por vez ao mesmo tempo em que aplica o curativo. Não estique o curativo ao posicioná-lo.
A permanência da cobertura é de até 7 dias dependendo do volume de exsudato ou descolamento do mesmo.

- Contra-indicação: feridas exsudativas, com infecção, presença de sinus e de peri-ferida friável.

OBS.: não distender o curativo durante a aplicação devido à possibilidade de desenvolvimento de traumatismos cutâneos provocados pela tensão.

Hidrogel Amorfo

- Composição: Composto de goma de co-polímero, que contém grande quantidade de água, alguns possuem alginato de cálcio e/ou sódio.

- Ação/Característica: mantém a umidade e auxilia o desbridamento autolítico. Não adere ao leito da ferida.

- Indicação: fornecer umidade ao leito da ferida.

- Aplicação/Troca: Deve ser usado sempre associado a coberturas oclusivas ou gaze. As trocas são de acordo com a saturação da cobertura associada, ou até 72 horas quando associado com gaze.

- Contra-indicação: feridas excessivamente exsudativas.

Bota de Unna
.
- Composição: 42% glicerina, 11,1% gelatina, 10,5% óxido de zinco, 100 g água qsp, 0,2% conservantes.

- Ação/Característica: é uma bandagem de compressão não-elástica que apresenta efeito apenas durante a movimentação, quando ocorre a contração e relaxamento dos músculos dos membros inferiores, auxiliando o retorno venoso. Além de auxiliar o retorno venoso, diminui edema, promove proteção e favorece a cicatrização da úlcera.

Indicação: úlcera venosa, úlcera de pacientes portadores de hanseníase e edema.
OBS.: Recomendado apenas para pacientes que deambulam.
- Aplicação: se o paciente utiliza outras coberturas, realizar o curativo antes do repouso e aplicação.
- Material necessário: pote com pasta de Unna, 3 ataduras de crepom de 12 a 15 cm (conforme o diâmetro da perna), pincel, ebulidor e recipiente para água quente.
- antes de iniciar o procedimento colocar o paciente em repouso com os membros inferiores elevado por 30 minutos;
- colocar o frasco com a pasta (quando manipulada) em banho maria até liquefazê-la;
- mergulhar duas bandagens de crepom no frasco até ficarem totalmente embebidas com a pasta ou usar um pincel para aplicar a pasta em cada uma das duas bandagens utilizadas no enfaixamento. Observar a temperatura da pasta antes de aplicá-la;
- durante o enfaixamento manter o pé em ângulo de 90º em relação à perna para favorecer a deambulação;
- iniciar o enfaixamento da região distal do metatarso, incluindo o calcanhar até 3 cm abaixo do joelho. O enfaixamento deverá ser sobreposto em 50% em espiral ou “8”; na região do calcanhar utilizar sempre o enfaixamento em “8”.  Evitar dobras ou rugas na atadura durante o enfaixamento.
- aplicar gaze sobre a primeira bandagem para absorção do excesso de exsudato na região próxima a ferida, se houver necessidade;
- aplicar a segunda camada de atadura, observando todos os procedimentos anteriores;
- terminar o enfaixamento com atadura sem pasta.
- Troca: a permanência dependerá da quantidade de exsudato e da contenção da bandagem com pasta, podendo ficar até 14 dias, sendo a média de troca de 7 dias.
- suspender o uso da Bota de Unna se apresentar sinais e sintomas de infecção (dor crescente, eritema, sensação de calor e aumento da temperatura local) ou intolerância ao produto;
- suspender se observar sinais e sintomas de insuficiência arterial (dedos pálidos ou cianóticos, edema severo acima da bandagem, dor ou falta de sensibilidade nos dedos);
- Encaminhar para avaliação clínica pormenorizada, após cicatrização para definição do tratamento a seguir será cirúrgico ou a manutenção com método compressivo local.

Contra-indicação:

·         Úlcera arteriais e mistas,
·         Úlcera infectada,
·         Insuficiência cardíaca descompensada,
·         Dpoc, trombose venosa profunda,
·         Celulite,
·         Sensibilidade aos componentes da pasta.

- Orientações ao paciente: elevar membros sempre que estiver sentado, caminhar, não permanecer muito tempo sentado ou de pé, manter a bota seca e proteger a atadura durante o banho.

6 comentários:

  1. qual a referência, que ano, autor?

    ResponderExcluir
  2. Este material foi levantado de uma comissão interna com professores.

    ResponderExcluir
  3. Nao entendi a primeira indicaçao... é para ferida aberta ou incisao?

    ResponderExcluir
  4. e o óleo dersane pra que serve nesses casos de ulcera por pressão, é verdade que ele é comum a todos os óleos e pode cozinhar a ulcera,VÇ PODE ME RESPONDERR POR FAVOR

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não cozinha a ferida não. O óleo dersani é um composto feito de girasol e contém algumas vitaminas que aliam no combate ao ressecamento da pele e evitando o contato direto da pele com objetos, roupas lençois etc. Muitas pessoas tem a dúvida se ele hidrata a pele, e a resposta é não, ele apenas evita a fricção da pele em contato com outras coisas.

      Excluir
  5. Este texto foi retirado do Protocolo de Curativos da Prefeitura de Belo Horizonte 2010

    ResponderExcluir